758 Views

Anos atrás, uma de nossas éguas começou a claudicar nos membros anteriores, sem um causa aparente ou evidente.

O médico chegou a cogitar de uma artrite,  suspeitou de sobre esforço em solo duro, eliminou possibilidades de cascos, aprumos, contusão ou concussão.

Nada resolvia o problema e ela não podia viver à base de analgésicos nem de anti inflamatórios, não gosto e prefiro a fisioterapia ou acupuntura.

Fui estudar as possibilidades,  e repassando o histórico de utilização dela, chegamos a uma aluna que montou algumas vezes, apoiando fortemente na embocadura, o que  eu educo sistematicamente a não ser feito, primeiro por ser desnecessário  e doloroso.

Por este caminho de investigação, utilizando um pouco de conhecimento da anatomia , chegamos à possibilidade de lesão na boca e lingua.

Ao ver a conexão da lingua com Hióide e  musculatura ventral do pescoço, sua conexão com musculos que se conectam ao ombro e à cervical, vimos quanto isso altera a amplitude das passadas e por isso talvez a força e peso excessivos na boca, por parte da aluna.

Restringimos a movimentação dela, tratamentos variados contra dor, mas ela agia como se estivesse com trauma e dificuldade de se soltar novamente.  Entendemos que ela poderia , por esta causa original estar sofrendo como humanos sofrem de LER (lesão por esforço repetitivo).. e tres meses, longos meses, ela esteve em tratamento e eu comecei a relacionar nos meus cursos e clinicas, o apoio na boca do cavalo,como fator de adoecimento, e da necessidade de prevenção destas estruturas.

A lingua tem relação com andamento e para muitos cavaleiros isso nao fazia sentido.

Agora me deparei com esse incrível estudo veiculado pela pagina PainLess Equestrian Therapy  da terapeuta inglesa Mandy McConechy e tudo ficou mais claro,  confirmando a linha que instintivamente eu segui anos atrás.

Vejam o que a cientista autora do texto aborda:

“A língua – que raramente vemos ou pensamos sobre ela é uma das partes integrantes mais importantes do cavalo.

Meu trabalho com pessoas colocou isso em uma perspectiva gritante – como nós e nossos cavalos somos mamíferos e temos sistemas nervosos centrais muito semelhantes, podemos tirar lições enormes de nossas próprias línguas.

A língua tem várias funções – degustar, lamber, mastigar, engolir, mas tem todo um outro mecanismo que usamos diariamente, mas nunca pensamos nisso.

A LÍNGUA É UM DOS PRINCIPAIS COMPENSADORES DO CORPO junto com a mandíbula, hioide e tornozelos (em um humano).

O que é uma compensação?

Um mecanismo que o cérebro usa para fortalecer as fraquezas pré-existentes do corpo devido a traumas físicos e emocionais.

Podemos ver nossos cavalos tendo problemas com sua língua com sintomas que podem indicar que um cavalo está sentindo dor ou desconforto na língua:

Queda de ração/feno

Não comer

Hipersalivação

Mau hálito

Sangramento da boca

Inchaço na língua e/ou bochechas

De pé com a cabeça estendida

Resistência à mordida ou ao manuseio da cabeça

Língua pendurada fora da boca

Descoloração (uma língua saudável deve ser rosa e úmida)

Reação explosiva do impacto do nervo

O que é especialmente importante considerar em cavalos?

O trauma físico no corpo significa que ele precisa de sua língua para tornar essa área mais forte. Quando fecham a boca, tiramos essa capacidade de compensar, fazendo com que os músculos fracos trabalhem, causando dor e correndo o risco de lesões.

Quando colocamos pedaços na boca que não têm espaço para a língua individual do cavalo ou usamos bocais de barra retos corremos o risco de comprimir a língua, o que causa trauma na língua e afeta a capacidade do cavalo de compensar.

Quando puxamos as rédeas para trás em um nível baixo, este quebra-nozes e belisca a língua causando dor e trauma.

Há trauma em seu corpo ou emoções que a língua está compensando?

Iridologia é uma ferramenta fantástica para localizar áreas de trauma passado e eu achei muito útil considerar ao olhar para a causa raiz de qualquer compensação no corpo.

Quando vemos o cavalo provocando seus sintomas – o que eles estão fazendo? Se montado, é o tempo todo/ movimentos laterais/ rédea direita/ rédea esquerda/ andar/trote/canter/rédea solta/rédea apertada/em uma curva/na reta/transições – vendo quais músculos eles “deveriam” estar usando naquele momento e o que eles estão fazendo em vez disso com seu corpo, isso pode nos levar à causa.

Tanta dor está escondida em nosso cavalo – como animais presas eles são mestres do disfarce e só quando nossos cavalos estão realmente com dor é que realmente os vemos como “coxos”.

Há tantos sinais antes disso. Olhar para todos esses sinais nos permite construir uma imagem do que está acontecendo dentro do cavalo e descobrir que é uma dor escondida.

Os próprios músculos da língua contam uma história.

Os músculos esterno-hioideus e esternotireoidiano conectam diretamente a língua e a boca do cavalo ao peito do cavalo. Essa conexão fascial e muscular continua através dos músculos peitorais ao longo da face ventral do cavalo, ao longo dos músculos abdominais e na pelve.

A língua (através do hioide) está conectada diretamente ao ombro, à cabeça e ao membro posterior indiretamente através da fácia – então os problemas da língua são problemas do corpo e vice-versa.

Então, o que você pode fazer para se aprofundar no porquê de seu cavalo precisar usar sua língua como compensação?

Primeiro, procure algo que possa mudar o que você vê na língua ou no corpo – melhor ou pior é sempre um bom sinal, porque lhe dá pistas. Eu recomendaria filmagens em câmera lenta a pé para comparação.

Mude o bocal (material/altura/largura/juntas), tire o freio, cavalgue do colarinho da cabeça, tire o selim do passeio com o bit, troque de cavaleiro, pese o lado direito do cavalo em seu estribo, pese o lado esquerdo do cavalo em seu estribo, coloque seu peso corporal para frente e apoiando a sela, coloque diferentes graus de pressão sobre as rédeas, Pare e siga em frente sem contato/pouco/contato constante, trabalho lateral com o ombro liderando e a extremidade traseira liderando.

Cada movimento lhe dará pistas e agora você pode começar a olhar para a história do seu cavalo e juntar o que você vê.

Por exemplo-

Cavalo coloca a língua para fora durante ação do ombro esquerdo e cantos da mão direita e tem um polegar/cicatriz no ombro direito que me levaria à lesão que causou a cicatriz, a cicatriz em si e o trauma físico e emocional que o cérebro ainda está compensando antes de eu ser levado a um trauma direto na língua.

Às vezes, vemos os sintomas em cascata – começa com apenas um pequeno cutucão de língua e depois a língua fica fora o tempo todo – especialmente em competições – à medida que os níveis de estresse aumentam e a capacidade que o cavalo tem em casa, quando está relaxado, diminui.

É uma maneira verdadeiramente fascinante de abordar o manejo de nossos cavalos e oferece muita liberdade da norma quando somos capazes de dar ao veterinário uma série de informações relevantes para ajudá-los a ajudar a nós e nossos cavalos da maneira mais alta possível”.